The Oscar goes To!

por Tim Walker para a W/ e por mim
A três dias dos Oscars, decidi partilhar convosco a minha segunda paixão. Desde muito pequena que adoro cinema, para mim é uma sensação parecida com a de ler um bom livro, em que se entra na história e nos esquecemos da realidade. Durante 1h30/2h30 vivemos a vida de outra pessoa! 

Adoro essa experiência e posso confessar que já aprendi muito com todos os filmes que vi! Um dos meus dates preferidos é ir à sessão das 18h, jantar e voltar para a sessão das 21h. Claro que só faço isto uma, duas vezes por ano, mas tem um lugar especial no meu coração  

Deixando-me de conversas, hoje falo-vos dos nomeados ao Oscar de melhor filme, as minhas opiniões e devaneios. Podia fazer uma dissertação sobre os aspectos conceptuais de cada filme, os pormenores técnicos, a arte…blah blah blah…mas, tal como no resto do blog, esse não é o meu objectivo. Quero apenas que fiquem a conhecer os 8 grandes e para quem ainda não viu, deixar o bichinho da curiosidade!


The Theory of Everything
Para mim este era o filme mais aguardado! Adoro a Felicity Jones, o meu namorado é fã do Stephen Hawking e estava desejosa de conhecer melhor sua vida. Como seria possível fazer um filme sobre esta história e qual seria a abordagem? A história é baseada no livro da primeira mulher de Hawking, Jane Wilde Hawking, Travelling to Infinity- My life with Steven (só este título é amor). No filme acompanhamos os primeiros sintomas da doença do cientista e o início da sua relação com Jane, até a doença se apoderar do mesmo e o casamento se deteriorar. Saí do filme com a certeza de que o ditado, ‘por detrás de um grande homem, há sempre uma grande mulher’, não podia ser mais verdade! (Porque será que não existe o ditado ao contrário? Porque ninguém põe em causa as grandes mulheres? fica para outro post…) A dedicação de Jane e o amor que nutre por Steven são comoventes, enfrentaram a doença juntos e sempre optimistas, são raros os momentos em que sentem injustiça ou pena, a vida e o trabalho dele tinham de continuar e os esforços de ambos concentram-se nisso. Uma história de amor e dedicação entre duas pessoas, interpretada de forma soberba pela Felicity e por Eddie Redmayne.

The Grand Budapeste Hotel/
/ Wes Anderson é o meu realizador preferido, já o é há uns belos 15 anos. Começou por despertar a minha atenção com Rushmore, e agarrou-me como fã com o The Royal Tenenbaums, e os que se seguiram. Confesso que tenho todos os dvds dele (sim, faço colecção de dvds), por isso sempre que saí um filme novo, agarro no telefone e faço logo a reserva para o dia de estreia. Este, apesar de não ser o meu favorito, encantou como habitualmente. Os pormenores de cenários, adereços, guarda-roupa, mood, são sublimes. Transportam-nos para um mundo fantástico e romântico. Com todos os actores conhecidos de Hollywood, esta é uma história de aventura, com um mini policial, um mini suspense e muito amor. 

Boyhood
Confesso que as minhas expectativas para este filme não eram as mais altas. Apesar de ser o filme mais conceituado da season, só ouvi falar do facto de ter demorado 12 anos a fazer e como isso é surpreendente e brilhante e etc. Claro que a proeza do realizador, Richard Linklater, é espantosa mas não é apenas isso que torna o Boyhood um excelente filme. O que me conquistou foi a abordagem simples e real de coisas banais da vida. Conta sem embelezamentos a história do crescimento e desenvolvimento de um rapaz, com todas as porcarias más e boas. Não tentou ser mais do que isso, que é muito, e dessa forma tornou-se brilhante! 

American Sniper/
Realizado por um dos meus actores/realizadores favoritos, Clint Eastwood, (e um dos homens mais charmosos de sempre!!!) este filme sobre o mais letal sniper americano, deixou-me curiosa! Uma história verídica muito comovente, baseada na vida e no livro de Chris Kyle, American Sniper- The Autobiography of the most Lethal Sniper in U.S Military History. Não se foca apenas nas dificuldades e nas decisões que têm de ser tomadas em altura de guerra mas também no regresso a casa, à família, à vida ‘mundana’ do dia-a-dia. Bradley Cooper, que estamos habituados a ver noutro género de filmes, e Sienna Miller, estão maravilhosos. Mostram-nos a dura realidade de tantos casais americanos que viveram períodos de separação (e perda) devido à guerra no Iraque. E como o ‘regresso’ à vida pode ser difícil mas possível, uma história de amor e dedicação. 

Birdman/
É impossível descrever este filme, mas vou tentar deixar-vos curiosos! Realizado por Alejandro González Inarritu, esta comédia negra centra-se em Riggan Thompson, interpretado pelo grande Michael Keaton, o Birdman. Foi esse o papel que o levou ao estrelato e foi esse o papel do qual nunca se conseguiu separar! Birdman é o seu alter-ego, a voz interior que o persegue durante todo o filme. Numa tentativa de romper com o seu grilo falante aposta tudo numa peça de teatro de forma a provar ao mundo o seu valor! Ao longo do filme, um conjunto de personagens brilhantes, como a de Edward Norton vão levá-lo à loucura. 
Com um ritmo frenético e com algumas alegorias à vida real do actor de Batman, Birdman vai fazer-vos voar! 

The Imitation Game/ 
Baseado em factos reais da vida de Alan Turing, um cientista e matemático Inglês, este filme conta duas histórias. A de uma equipa liderada por Alan, papel interpretado brilhantemente por Benedict Cumberbatch, com a missão de quebrar os códigos da II Guerra Mundial transmitidos por uma máquina chamada Enigma e a da sua vida pessoal. A primeira deixa-nos curiosos e ansiosos para saber se o brilhantismo que Alan afirma ter se vai mesmo realizar. Já a segunda deixou-me triste e indignada, mas não posso revelar muito pois não vos quero ‘spoil the movie’... Fiquei indignada com as leis da altura que permitiam usar e abusar de poder, um poder carregado de preconceito e de ignorância, para mandar na vida de outra pessoa, uma pessoa que potencialmente pode ter salvo milhões de vidas… não deixem de ver! 

Whiplash/
Preparem-se para a loucura! Este filme conta a história de Andrew Newmann, interpretado por Miles Teller, um estudante de Jazz na melhor escola de música de Nova Iorque. Andrew vive, literalmente, para a música, especificamente para a bateria. Fletcher, maestro de uma das melhores bandas, convida-o a integrar a sua orquestra e a partir daí é o salve-se quem puder! A obsessão, o comportamento e as atitudes de Fletcher chocam pela agressividade mas rapidamente vão perceber que o empenho e a ambição descontroladas de Andrew vão igualar esta sede de perfeição. Uma competição levada ao limite que acaba por unir os dois génios!

Selma/
/ Selma Selma Selma, confesso que não foi fácil ver este filme. Não por ser mau, longe disso, mas porque histórias sobre preconceito, de qualquer espécie, afectam-me o sistema nervoso! Confesso que tive de desviar a cara e tapar as orelhas algumas vezes. Mariquinhas? Talvez um pouco, prefiro não ver cenas que me vão causar uma revolta profunda. O filme trata da luta do povo afro-americano, liderado por Martin Luther King Jr., em conseguir de forma legal e livre registar-se para votar. Todas as derrotas e conquistas que vão conseguindo em Selma, as manifestações, marchas, conversas com o Presidente, Lyndon B. Johnson, toda a luta para conseguirem os direitos democráticos já atribuídos à restante população americana. Não deixem de ver!

E vocês que filmes já viram? Qual o vosso candidato a melhor filme?

6 comentários

  1. Ainda só vi The imitation game que achei fabuloso. Tal como tu, fiquei indignada com a parte da vida privada.

    ResponderEliminar
  2. Eu vi 4 dos filmes. Para mim "the Oscar goes to..."The theory of everything!
    Melhor ator: Eddie Redmayne!!! (mas não vi o filme com o Sean Pean e ele é um Grande Ator!

    Melhor atriz...não consigo (ainda) dizer, mas acho que não vai sair destes 8 filmes!

    Se acertar quero créditos publicamente expressos!

    ResponderEliminar
  3. Deixei por ver o Selma e o American Sniper. E acho que a Academia não vai com as minhas sugestões, for sure. Não vou fazer noitada a ver os Óscares mas cheira-me que amanhã vou ficar triste com os vencedores.

    Para mim, Whiplash a melhor filme, Eddie Redmayne para melhor actor, Julianne Moore para melhor actiz, Edward Norton ou JK Simmons para melhor actor secundário e Emma Stone para melhor actriz secundária. Mas acho que nada disto vai ser o eleito. We'll see.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, vi os Óscares 2ª feira e fiquei um pouco em choque com o melhor filme. Apesar de ter gostado muito do Birdman não estava à espera, fiquei com a sensação que tenho de o rever!

      A minha desilusão foi o Boyhood não ter ganho argumento original, acho que merecia...
      Na actriz principal, estava pela linda Julianne mas depois lembrei-me da perfeita Rosamund...e fiquei um bocadinho triste por ela...no Gone Girl ela fez 'o' papel, cada vez que entrava em cena ficava hipnotizada, tenho receio que tenha perdido uma grandeee oportunidade de ganhar o óscar... a Julianne é sempre boa ;)

      Eliminar
  4. Agora que já se sabem os vencedores, já posso dizer que os meus preferidos, por diferentes motivos, são o The Grand Budapest Hotel e o Birdman. Claro que não consegui ver todos (até agora), mas quero acreditar que a minha opinião de melhor filme para o Birdman não vai mudar :) Depois venho aqui e digo de minha justiça!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda tens o Boyhood para ver! Olha que não estava convencida mas acabei por render-me...fico à espera =)

      Eliminar

Professional Blog Designs by pipdig